Crônica: Endo Shihan – Paris

O post de hoje e uma Crônica sobre o Estágio de Endo Shihan em Paris, escrita por Mário Tetto (Diretor Geral da AABC) Associação de Aikido de Balneário de Camboriú (Aikido Kawai Dojo), Mário gentilmente topou escrever essa Crônica sendo assim digamos, o Correspondete Internacional do Conexão Aikido. Muito obrigado Mário por dividir com a gente sua experiência.

SEMINÁRIO COM ENDO SHIHAN EM PARIS
por Mário Tetto

Estive em Paris no começo do ano e sentia que deveria voltar em breve. Como sempre, estava pesquisando sobre possibilidades de Seminários com Mestres da Aikikai, quando me deparei com o anuncio do Seminário com Endo Shihan. Pronto, era tudo o que eu precisava para voltar para Paris.

Já tinha lido sobre o Sensei Endo e tinha visto alguns vídeos dele e de certa forma já havia criado uma impressão sobre sua técnica, suas abordagens e a importância em ser um dos poucos instrutores do Hombu Dojo com o 8º Dan, junto apenas com Masuda e Watanabe.

O Seminário foi realizado nos dias 24 e 25 de setembro de 2011 e foi organizado por Sensei Christian Tissier e seus alunos. Além dos Franceses, encontrei um pessoal do Japão, Espanha e Alemanha que também vieram atrás da qualidade técnica do Sensei Endo. O que faz estes Seminários na França interessantes, além da qualidade dos instrutores, é a diversidade de pessoas com um nível técnico muito alto, linhas diferentes, mas com uma vontade grande de treinar.

Ao ver Sensei Endo ao vivo fiquei impressionado com a juventude e a flexibilidade física que ele ainda preserva. Alongamentos cuidadosos antes e no final de cada treino devem ajudar este mestre com 68 anos de idade aparentar um aspecto muito mais jovem e saudável. Impressionante mesmo!

Iniciou o Seminário falando sobre a importância do cuidado com o parceiro de treino, e dizendo que a forma mais apropriada para perceber o outro é estar consciente do seu corpo, da sua respiração, da sua técnica, eliminando as tensões do corpo e as preocupações da mente.

Sensei Endo gosta de falar e explicar alguns pontos de vistas, busca e exige do Uke o contato o tempo todo. Continuou o Seminário mostrando a atitude correta ao atacar em Shome Uti. Extremamente marcial e ao mesmo tempo leve e preciso, os golpes de Shomen Uti e Yokomen Uti realizados pelo Sensei Endo me pareceram muito difíceis de serem repetidos, e quando parecia que algo estava melhorando ele incluía no exercício a movimentação de pernas. Estabelecendo de uma vez por todas no tatame a sensação “Para que lado eu vou”?

Ele falou que é possível visualizar as técnicas de Aikido como um Kata, onde Uke e Nague sabem através da repetição onde devem ficar as mãos, os pés e a atitude do movimento, mas junto com a busca do domínio destes conceitos devemos permanecer livres para caminhar e sentir nosso parceiro de treino.

Para ser Uke do Sensei Endo você deve estar atento, oferecendo alguma energia para o movimento e ao mesmo tempo guardando as inevitáveis aberturas, pois ele vai percebê-las e vai te atirar no chão sem muito esforço. Tive a oportunidade de ser Uke em algumas correções para um pequeno grupo. Não é nada fácil, ele é rápido, marcial, mas sorridente a maioria das vezes, mesmo quando me repreendeu na minha tentativa de Shomen Uti muito “tenso” e mesmo quando me arremessou travando minhas pernas como em uma rasteira durante um Ikkyo, ele não perdeu o senso de humor.

Sensei Endo tem uma postura impecável, ombros relaxados, coluna reta, mas é fato que ele é muito marcial tecnicamente e se hoje ele aparenta ser muito suave e livre nos seus movimentos é porque ele domina as noções de “timing” do seu oponente. Em uma entrevista feita por Stanley Pranin, Endo Sensei fala que descolou seu ombro aos 30 anos, fato que o levou a treinar assiduamente com Seigo Yamaguchi para aprender a relaxar e tirar a força das técnicas.

No Seminário, Endo Sensei repetiu diversas vezes as palavras Atari (ou ateru) e Musubi, explicando a sensível diferença entre permanecer conectado sem ser rígido, oferecendo energia no ataque sem ficar extremamente exposto e vulnerável, um ataque continuo, vivo, não apenas um agarrão, ou uma pegada ou um soco. Um conceito vivo de interação e estudo entre Uke e Nague durante a técnica, onde ambos oferecem o seu melhor e exploram de uma forma mais livre as sensações da técnica, aprendendo a se movimentar com o parceiro, independente se você é o Uke ou Nague.

Endo Shihan é realmente um grande professor. Sua dinâmica no Seminário em Paris criou um ambiente de estudo muito produtivo que me levou a sensação física de carregar ombros pesando toneladas.

Para finalizar, agradeço mais vez o suporte da Academia Central de Aikido São Paulo, Sensei Valdecir Fornazier, meus alunos e a Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú, através do Diretor Financeiro André Meirinho e do Secretário de Esportes Sandro Bernardoni, que me apóiam e incentivam nas minhas pesquisas e viagens de Aikido. Um grande abraço e até a próxima!

Visite o Albúm de fotos do Estágio com Endo Shihan.

____________________________________________________________
Créditos:
Texto e Fotos: Mário Tetto (Diretor Geral da AABC)
Revisão: Elena de Carvalho Stellfeld