Chronique: Séminaire Fabrice Croizé Sensei | Brésil 2013

FR

conexao.aikido@gmail.com |  Facebook | Twitter | Youtube | Google translate

Frabrice Croizé Sensei

En mars 2013, plus précisément le week-end du 16/17, Campinas a reçu Fabrice Croizé Sensei.

Le séminaire a été organisé conjointement par moi (Marcelo do Nascimento) et par Armando José Venturi Guilherme, respectivement instruteurs responsables du Shuhari Dojo et du Musha Dojo, et nous avons aussi compté sur le soutien de l´Aikido Circulo Aikikai de Córdoba – Argentine.

Le séminaire a continué le travail qui avait débuté en 2012 avec le séminaire de Luis Colalillo Sensei. Fabrice Croizé Sensei est actuellement 4e dan de la Aikikai du Japon et également 4e dan par la Fédération Française de Aikido, Aikibudo et Affinitaires étant l´un des élèves les plus remarquables de Christian Tissier Shihan 7e dan Aikikai. Fabrice Croizé Sensei est aussi un des instruteurs du Cercle Tissier de Vincennes, Paris – France et il est également directeur du Club d´Aikido de Bagnolet, France.

Fabrice Croizé Sensei a dans sa formation professionnelle d´Aikido le BE1 – Brevet d’État 1er Degré. Ce titre est une exigence de la loi française (Code sportif, Livre II, article L. 212-1) pour tous ceux qui souhaitent exercer l´activité d´enseignement d´un sport ou d´une discipline marciale moyenant une rémunération.

Le cours pour accéder à ce titre est divisé en deux modules:

1er Module: Commun à toutes les activités sportives et comprend: biologie et mécanique du corps, physiologie, anatomie, biomécanique, psychologie, sociologie et juridiques;

2ème Module: spécifique à la pratique de l´Aikido: pédagogie (comprennant une section consacrée à l´enseignement des enfants), comment assurer les pratiques tenant compte des objetifs et comment bien souder ces objetifs aux pratiques.

Il se peut que l´on ne trouve pas nécessaire ou que l´on ne voit pas la raison de tout cela. Cependant lorsque l´on voit l´Aikido comme plus qu´une simple pratique sportive ou un système martial et que nous venons à le considérer comme um système d´éducation plus complexe (oui, l´Aikido est bien un système martial, mais il n´est pas que cela) ce scénario se rendra au fur et à mesure plus clair et nécessaire. Lorsqu´il nous vient à la mémoire qu´il n´est pas rare que nous ayons entendu le discours affirmant que par la pratique de l´Aikido nous devenons des personnes meilleures et que dans l´Aikido ce n´est pas la force qui compte, que notre santé à travers cette pratique va s´améliorer, l´attention, notre posture, notre discipline vont s´améliorer, il est diffícile d´imaginer comment cela devient possible sans qu´il ait des professionnels qualifiés maîtrisant non seulement la technique mais qui possèdent également une bonne didactique pour être en mesure de transmetre ces concepts et être capable de faire que cet élève qui est là-bas sur le tatami, à la fin d´une pratique, puisse éprouver le sentiment que “oui, il est difficile, mais il est nécessaire et je peux apprendre”. Discuter ne coûte pas cher, mais démontrer et vivre ce qui est dit demande beaucoup d´efforts et d´engagement. Les instructeurs connaissent bien ce dont je parle.

Fabrice Croizé Sensei, pendant une pratique du samedi après-midi

Ce qui, à mon avis, ne peut être atteint que grâce à beaucoup d´études et, comme l´a dit Bertold Brecht “Celui qui n´est pas prêt à étudier ne doit pas enseigner, le professeur doit enseigner à étudier. Inspirer les gens à se développer et à poursuivre des études et de la connaissance est la première étape pour l´épanouissement de la personne, non seulement parce que la personne deviendra meilleure, mais aussi parce que nous éveillerons chez elle l´envie de chercher à devenir une personne meilleure.

Voilà pourquoi au début de cette chronique j´ai écrit que ce séminaire était une continuation du projet qui a commencé en2012 avec le séminaire de Luis Colalillo Sensei et qui maintenant a sa suite en 2013 avec Fabrice Croizé Sensei. Armando et moi, nous faisons vraiment confiance à la qualité technique et à une bonne didactique et maintenant en tant que instructeurs nous éprouvons davantage cette responsabilité, et cette recherche ne pourra se faire que à travers beaucoup de travail, d´études et de dévouement.
Nous avons eu l´honneur de recevoir Fabrice Croizé Sensei dans les locaux du Shuhari Dojo et du Musha Dojo. Lors de ces visites Fabrice Croizé Sensei a pu nous guider dans un travail de base et de structure des techniques pour des élèves débutants. Déjà le vendredi 15/03/2013 nous avons eu un cours supplémentaire, ouvert à tous et qui montrait le ton que suivrait le séminaire.

Visite de Fabrice Sensei au Musha Dojo

Visite de Fabrice Sensei au Shuhari Dojo

Commeçant par des mouvements simples, toutefois pas faciles d´être accomplis, nous avons eu l´occasion de voir la construction d´une technique depuis son principe statique, passant par des mouvements plus fluides et dynamiques. Fabrice Croizé Sensei n´a pas seulement travaillé le rôle de nage, mais il a également travaillé le rôle d´uke. Il nous a guidé à plusieurs reprises à ne pas être d´ukes passifs dans l´action, mais de s´engager dans un rôle plus participatif dans la technique qui contribue certainement au nage, le forçant-à mieux travailler ses mouvements et sa perception de l´espace et du temps durant toute l´exécution de la technique.

Le samedi et le dimanche, Fabrice Croizé Sensei a participé et perfectionné la pratique des pratiquants qui s´entraînaient par deux, ce qui est très important pour ceux qui vont suivre un séminaire et qui changera complètement la vision que l´on a de la technique, puisque on va recevoir l´attention direte du professeur.

Nous avons fait un sondage auprès des participants afin d´avoir leurs commentaires sur ce Séminaire, quelles étaient leurs impressions et ainsi, par la suite, pouvoir penser comment nous pourrions améliorer à l´avenir. Dans ce sondage, Fabrice Croizé Sensei a reçu 100% d´approbation en ce qui concerne la connaissance et la maîtrise des techniques présentées, démontrant par là la satisfation de ceux qui ont pu participer (les résultats complets du sondage peuvent être consultés ici). Beaucoup de pratiquants ont signalé la bonne ambiance aussi bien durant les pratiques que la convivialité en dehors des pratiques; ici, il est important de signaler que cela n´a été possible que grâce à tous ceux qui y étaient présents et qui ont rendu possible le succès et l´accomplissement des objectifs. Mes remerciements donc à tous.

Je ne citerai pas ici un par un pour ne pas commettre d´oubli. Toutefois, certains noms doivent recevoir un merci spécial, ce sont les suivants: Fabrice Croizé Sensei, pour avoir accepté l´invitation et pour tout son dévouement et son attention envers tout le monde et durant ces jours; à Armando, pour être ensemble sur ce projet; aux épouses Elena et Juliana, pour nous soutenir et croire en notre rêve; à Luis Colalillo Sensei, pour nous aider à contacter Fabrice Croizé Sensei; au grand ami Philippe Dorée par la traduction simultanée et aussi pour tout soutient qu´il nous a procuré à moi et à Armando à Paris lors du Stage de Pâques en 2012; à Rafael, Tiago et Cris da Cris Sports pour la location et le soutien logistique aux participants; à Adamaro Silva et à toute l´équipe de la Churrascaria Fazendão Grill et de la boulangerie Império dos Pães pour le soutien durant ce séminaire pour le dîner et petit déjeuner; à nos partenaires Anne Lee et Josh Gold (Ikazuchi Design), Jordy (Budo Export) et Anne Marie Crisanto Ruschel (Aiki Trend), e finalement, à tous les présents parce que sans vous ce séminaire n´aurait pas pu avoir lieu.

Photo prise à la fin de la pratique du samedi le 16/03/2013

Voir photos du Séminaire de Fabrice Croizé Sensei


Moments du Seminaire avec Fabrice Croizé Sensei:

Voyez aussi les vidéos [Vidéo 1] [Vidéo 2] [Vidéo 3]

____________________________________________________________

Contenu autorisé par Marcelo do Nascimento

Crédits:
Texte: Marcelo do Nascimento
Revision: Elena de Carvalho Stellfeld
Traduction: Marisa Rosetto
Imagens: Carlos Souza (Cadu) / Alexsander Tadeu Fimm

Crônica: Seminário Fabrice Croizé Sensei | Brasil 2013

conexao.aikido@gmail.com
Facebook | Twitter | Youtube | Google translate

Frabrice Croizé Sensei

No mês de março de 2013, mais precisamente no final de semana dos dias 16 e 17, esteve em Campinas Fabrice Croizé Sensei.

O seminário teve a organização conjunta minha (Marcelo do Nascimento) e de Armando José Venturi Guilherme, respectivamente instrutores responsáveis pelo Shuhari Dojo e Musha Dojo, contamos ainda com o apoio do Aikido Circulo Aikikai de Córdoba – Argentina.

Este seminário segue um trabalho iniciado em 2012 com o seminário de Luis Colalillo Sensei. Fabrice Croizé Sensei   é atualmente 4º dan da Aikikai do Japão e também 4º dan pela Federação Francesa de Aikido, Aikibudo e Afins sendo um dos alunos mais destacados de Christian Tissier Shihan 7º dan Aikikai. Fabrice Croizé Sensei também atua como instrutor do Cercle Tissier de Vincennes, Paris – França e é também diretor do Clube de Aikido de Bagnolet, França.

Fabrice Croizé Sensei tem na sua formação como profissional de Aikido o BE1 – Brevet d’État 1er Degré (Diploma de Estado 1º Grau). Este curso é uma exigência da legislação francesa (Código Desportivo, Livro II, do artigo L. 212-1)  para todo aqueles que pretendem exercer a atividade de ensinar uma prática esportiva ou disciplina marcial mediante remuneração.

Este curso é divido em dois grandes módulos:

1º Módulo: Comum a todas as atividades esportivas e compreende: biologia e mecânica do corpo, fisiologia, anatomia, biomecânica, psicologia, sociologia e jurídica;

2º Módulo: específico à prática do Aikido: pedagogia (com uma parte dedicada ao ensino para crianças), como ministrar as práticas através de objetivos e como “amarrar” esses objetivos ao final das práticas.

Talvez possa parecer desnecessário pensar o porque de tudo isso. Entretanto, quando enxergamos o Aikido mais que uma prática esportiva ou um sistema marcial e passamos a enxergá-lo como um sistema de educação mais amplo e complexo (sim, o Aikido é um sistema marcial, mas, não somente um sistema marcial) esse cenário vai se fazendo mais claro e necessário. Ao lembrarmos que ouvimos não raras vezes o discurso que nos diz que praticando Aikido nos tornarmos pessoas melhores, que no Aikido não fazemos força, que através da prática nossa saúde, atenção, postura, disciplina irão melhorar, fica difícil imaginar como isso se torna possível sem termos profissionais qualificados que possam através de um domínio da técnica e não menos importante, uma boa didática para poder passar esses conceitos e poder fazer aquele aluno que esta ali no tatame sair ao final de uma prática, com um sentimento de “sim, é difícil, mas é necessário e consigo aprender”. Falar é fácil, mas, demonstrar e vivenciar aquilo que se fala demanda de muito esforço e empenho. Os instrutores vão saber bem do que estou falando.

Fabrice Croizé Sensei, durante a prática de sábado a tarde

Na minha opinião isso só pode ser atingido através de muito estudo, e, como disse (Bertold Brecht) “Quem não está disposto a estudar não deve ensinar, o professor deve ensinar a estudar. Inspirar as pessoas a crescerem e a buscar a educação e o conhecimento é o primeiro passo para tornar alguém melhor, não porque faremos essa pessoa melhor, mas, porque despertaremos nela o sentimento da buscar em se tornar uma pessoa melhor.

Justamente por isso ao início desta crônica escrevi que este seminário foi uma continuação do projeto que se iniciou em 2012 com o seminário de Luis Colalillo Sensei e que agora em 2013 teve sua continuação com Fabrice Croizé Sensei. Armando e eu acreditamos muito na qualidade técnica e na boa didática e agora como instrutores sentimos essa responsabilidade ainda maior, e buscar isso só será possível através de muito trabalho, estudo e dedicação.

Tivemos a oportunidade de ter Fabrice Croizé Sensei visitando as instalações do Shuhari Dojo e do Musha Dojo. Nestas visitas Fabrice Croizé Sensei  pôde nos orientar em um trabalho de base e estrutura de técnicas para alunos iniciantes. Já na sexta-feira dia 15/03/2013 tivemos uma aula extra, aberta a todos e que já mostrava o tom que se seguiria durante o seminário.

Visita de Fabrice Sensei ao Musha Dojo

Visita de Fabrice Sensei ao Shuhari Dojo

Começando com movimentos simples porém não fáceis de serem executados tínhamos a oportunidade de ver a construção de uma técnica desde o seu principio estático, passando a movimentos mais fluidos e dinâmicos.  Fabrice Croizé Sensei não só trabalhou o papel de nage, como também trabalhou o papel de uke. Nos orientando muitas vezes a não sermos ukes passivos da ação, e sim, assumir um papel mais participativo na técnica o que com certeza ajuda o nage, forçando-o a trabalhar melhor seus movimentos e sua percepção de espaço e tempo durante toda a execução da técnica.

No sábado e domingo Fabrice Croizé Sensei treinou com vários praticantes o que para quem vai a um seminário é sempre muito importante e  muda completamente a visão que se tem sobre a técnica, é  claro, temos o fato da pessoa estar recebendo atenção direta do professor, o que é muito importante.

Fizemos uma pesquisa junto aos praticantes  para poder ter um feedback de como o Seminário estava e como podemos melhorar para o futuro. Neste feedback Fabrice Croizé Sensei recebeu 100% de aprovação no quesito de conhecimento e domínio das técnicas apresentadas, o que demonstra satisfação de quem pôde participar (o resultado completo da pesquisa pode ser acessado aqui). Muitos praticantes comentavam como estava bom o ambiente durante a prática e durante o convívio fora dela; aqui só posso dizer que foi graças a todos que lá estavam é que esta meta pode ser atingida com sucesso. Meu muito obrigado a todos por proporcionar momentos tão agradáveis.

Não vou citar um por um aqui para não cometer nenhum esquecimento. Entretanto, alguns nomes tenho que ter uma agradecimento especial, são eles: Fabrice Croizé Sensei, por ter aceitado o convite e por toda a dedicação e atenção para com todos durante esses dias; ao Armando, por estar junto neste projeto; as esposas Elena e Juliana, por nos apoiarem e acreditarem em nosso sonho; a Luis Colalillo Sensei, por viabilizar o contato junto a Fabrice Croizé  Sensei; ao grande amigo Philippe Dorée pela tradução simultânea e também por todo aporte dado a mim e ao Armando em Paris durante o Estágio de Páscoa de 2012; ao Rafael, Tiago e Christina da Chris Sports pela locação e apoio logístico aos participantes; Adamaro Silva e a toda equipe da Churrascaria Fazendão Grill e padaria Império dos Pães pelo aporte ao evento com jantar e café da manhã; aos nosso parceiros Anne Lee e Josh Gold (Ikazuchi Design), Jordy (Budo Export) e Anne Marie Crisanto Ruschel (Aiki Trend),  e por fim, a todos os presentes porque sem vocês este seminário não teria sido possível.

Foto tirada ao final da prática de sábado dia 16/03/2013

Veja as fotos do Seminário de Fabrice Croizé Sensei

Momentos do Seminário com Fabrice Croizé Sensei

Assista também aos vídeos [Vídeo 1] [Vídeo 2] [Vídeo 3]

____________________________________________________________

Conteúdo autorizado por Marcelo do Nascimento
Créditos:
Texto: Marcelo do Nascimento
Revisão: Elena de Carvalho Stellfeld
Imagens: Carlos Souza (Cadu) / Alexsander Tadeu Fim

Crônica: Shihan Christian Tissier: Uruguay 2012

conexao.aikido@gmail.com
Facebook | Twitter | Youtube | Google translate

Esta Crônica foi oiginalmente publicada em: kokyu-dosa.blogspot.com.br, agradeço a  José Vicente Moreno, por ter autorizado a tradução para o português e posteriormente a publicação aqui no Conexão Aikido.
Traduzido por: Julia Nunes Goulart

Olá a todos!

Como sabem, o Shihan Tissier esteve na América Latina. Eu ouvi falar muito pouco sobre a sua visita e isto me chamou bastante a atenção. De alguns colegas argentinos, ouvi que o público foi menor do que em vezes anteriores e que o problema do joelho do Shihan estava pior, mas em: Aikikai Galicia encontrei a resenha de um praticante que esteve no Uruguai e nos faz um breve, mas interessante relato pelo seminário liderado pelo Shihan Tissier.

Há pouco tempo, Shihan Tissier veio para fazer um seminário e, com certeza, eu estava lá na frente; não poderia deixar de ver este Shihan em ação. Aí vai uma pequena crônica. Fisicamente, Shihan Tissier parece ser muito mais jovem do que realmente é, ele está com nada menos que 61 anos. Mesmo que reclamando de dor no joelho, praticou o tempo todo em altíssimo nível, com a explosividade que lhe é característica. No dojo havia muitos com hakamas (Aqui só usam hakama os faixas pretas, como você verá) e pessoas de muitos lugares da América Latina. Brasileiros, argentinos, uruguaios e um espanhol dividindo o tatame. Antes de começar, Tissier sentou-se e se ofereceu para responder algumas perguntas. Reproduzo aqui a conversa, a qual é bastante interessante.

  Sensei, qual a importância que você dá à parte espiritual do Aikido… à meditação, por exemplo?
Shihan Tissier: Pessoalmente, nenhuma. Acho que às vezes sobra importância à parte física, a que também pode chegar a ser transcendente. Podemos alcançar a paz interior também através do exercício, e não necessariamente buscando uma parte “espiritual”. Não digo que não é importante, mas não é o que eu busquei na minha prática.

Sensei, em algumas entrevistas você disse que gosta da competição. Como consegue conjugar isto com o fato de que no Aikido não existe competição? Deveria existir?
Shihan Tissier:  O que eu disse é que eu gosto de competição, pelo fato de que eu gosto de “competir”. Gosto de boxe, tênis, eu gosto de jogos em geral. Se faço palavras cruzadas, por exemplo, eu gosto de ganhar e desfruto disso. É neste sentido que me refiro. Mas, para competir, tenho uma infinidade de opções… como as que já comentei.  Entretanto, no aikido não cabe a competição, neste mesmo sentido pelo menos, não. Mas sim que há um caráter marcial, uma correção quando algo é malfeito, uma vontade de superação. Os melhores caratecas do mundo nunca competiram, por exemplo. Não é incompatível o gosto pela competição com o gosto pelo aikido. Apenas é necessário deixar claro que no aikido não se compete da mesma forma que não se compete em outros âmbitos da vida. Para os que gostam de competições, como eu, há outros meios.

– Sensei, qual a sua opinião acerca da polêmica sobre algumas técnicas que são consideradas pouco eficazes no aikido?
Shihan Tissier: Bom… Realmente, e ainda que lhes surpreenda esta afirmação é terminante, há um grande número de técnicas que não são eficazes, com o significado que você quer dar a essa palavra, dentro do aikido. Mas não é algo ruim. Os caratecas, ou os boxeadores, utilizam apenas 4 ou 5 técnicas de todas as que aprendem, já que são as que realmente lhes servem.  No aikido, temos um enorme número de técnicas, mas é bom aprender todas elas. Vou dar um exemplo: se quer ser eficiente com idiomas, aprenda inglês. Você poderá se comunicar com eficácia com a maior parte do mundo. Agora, se você gosta de idiomas, se realmente quer ser um “mestre” da linguagem, aprenda latim, francês, espanhol, línguas minoritárias mas belas, … A pergunta é… Você quer ser eficiente ou quer aprender? As técnicas de aikido nos ajudam a aprender, e nos enriquecem, e nos permitem alcançar um conhecimento profundo da arte marcial. O que é eficaz ou não, não deveria ter importância para nós. No fim das contas, eu fiz a maior parte das minhas lesões treinando, e não na rua. Pensem nisso.

O Shihan falou também do passado do aikido, do estilo Kashima e da influência que teve em sua forma de praticar aikido, de Yamaguchi Sensei e outros grandes mestres, de seus mais de 50 anos praticando aikido… Quando terminou a conversa, começamos com um aquecimento rápido, e Shihan Tissier  explicou alguns dos princípios básicos. Centrou-se sobretudo na pegada katatedori, com a que iniciamos sem nenhuma técnica, apenas atacar e se mover. Mais adiante, introduziu shihonage, com a qual ficamos um bom tempo e foi bastante aprofundada. Shihan Tissier falou muito da necessidade de “não empurrar”, mas sim se fazer um com o uke. Também a de controlar os tempos e as distâncias, e não tentar ir rapidamente. É preciso, segundo o Shiahn, adaptar-se ao nível do uke para que este aprenda, e não tentar demonstrar força ou superioridade. Continuou com ikkyo, também em katatedori, insistindo de novo para que não empurrássemos ao praticar a técnica. “Não tem que empurrar, mas sim avançar”. Outro detalhe no qual ele insistiu foi em conhecer os pontos pelos quais a técnica passa e não pular nenhum. Quando a gente caminha, dizia ele, não olha aonde vai colocar o pé, mas faz isso de maneira natural, pois conhece quais são os pontos que deve passar para dar os passos sem tropeçar. Com o aikido é a mesma coisa. Depois de uma rápida pausa, continuamos com shihonage, mas desde yokomenuchi, para terminar com ryotedori tenchinage. Em geral, um seminário muito bom com explicações muito claras e úteis, graças às traduções de sensei Rojo. Percebi que Shihan Tissier está bastante em forma, apesar de seu problema no joelho e, em geral, as pessoas que vieram foram muito afáveis e participativas. Não houve ninguém que tentasse ensinar de forma paralela (Sabemos que às vezes isso acontece nos Seminários), e sobretudo, foi agradável ver que os faixas-pretas se adaptavam ao seu nível, deixando espaço para treinar à vontade. Nada mais, encerro minha crônica despedindo-me e espero vê-los no Natal.

Um abraço a todos.

Originalmente publicado em: kokyu-dosa.blogspot.com.br

 ____________________________________________________________

Conteúdo autorizado por (José Vicente Moreno)
Créditos:
Texto: José Vicente Moreno
Tradução: Julia Nunes Goulart
Foto: kokyu-dosa.blogspot.com.br